HOME

NOTÍCIAS

Ex-presidente Lula concede primeira coletiva após retomar direitos políticos

Ex-presidente Lula concede primeira coletiva após retomar direitos políticos

Reprodução internet

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu entrevista coletiva e falou sobre a anulação de todas as condenações relacionadas com a Lava Jato, por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, sobre a vacina, o atual governo, entre outras questões. Acompanhe: Sobre a prisão, em 2018, Lula disse que decidiu provar sua inocência perto do juiz Moro. "Como eu tinha clareza das inverdades tomadas contra mim eu tomei a decisão de provar a minha inocência dentro da sede da Polícia Federal, perto do juiz Moro. Antes de eu ir, nós tínhamos escrito um livro e eu fui a pessoa que deu a palavra final no título do livro que ‘a verdade vencerá’. Eu tinha tanta confiança e tanta consciência do que estava acontecendo no Brasil que eu tinha certeza que esse dia chegaria, e ele chegou." O ex- presidente ainda relatou sobre o processo, e falou sobre a morte de Marisa. "Eu sei que fui vítima da maior mentira jurídica contada em 500 anos de história. Eu sei que a minha mulher, a Marisa morreu por conta da pressão e o AVC se apressou. Eu fui proibido até de visitar meu irmão dentro de um caixão." E ressaltou que seu sofrimento não é maior do que o que o povo brasileiro tem sofrido. “Se tem um brasileiro que tem razão de ter muitas e profundas mágoas sou eu, mas não tenho. Sinceramente eu não tenho porque o sofrimento que o povo brasileiro tá passando, o sofrimento que as pessoas pobres estão passando neste país é infinitamente maior do que qualquer crime que cometeram contra mim. É maior do que cada dor que eu sentia quando estava preso na Polícia Federal, porque não tem dor maior para qualquer homem ou mulher, em qualquer país do mundo, do que levantar de manhã e não ter a certeza de um café com um pãozinho para tomar. […] Essa dor que a sociedade brasileira está sofrendo agora que me faz dizer pra vocês: a dor que eu sinto não é nada diante da dor que sofrem milhões e milhões de pessoas. É muito menor do que a dor que sofrem quase 270 mil pessoas que viram seus entes queridos morrer.” Ao falar sobre o momento atual que o mundo enfrente contra o Coronavírus, Lula prestou sua solidariedade aos familiares das vítimas da Covid-19 e aos trabalhadores da linha de frente que atuam no SUS. "Quero prestar a minha solidariedade nessa entrevista às vítimas do coronavírus, aos familiares das vítimas do coronavírus, ao pessoal da área da saúde, de todos da saúde, privado e pública. Mas sobretudo para os heróis e heroínas do SUS que por tanto tempo foram descredenciados politicamente. Foram descredenciados no exercício de sua profissão porque só mostravam que as coisas ruins que aconteciam no SUS e quando veio o coronavírus se não fosse o SUS a gente teria perdido muito mais gente do que perdeu, apesar do governo tirar tanto dinheiro do SUS e do governo ser um verdadeiro desgoverno no trato da saúde. Ainda aproveitou o momento para dar sua opinião sobre o papel do presidente da república. "Vocês sabem que a questão da vacina não é uma questão se tem dinheiro ou se não tem dinheiro. É uma questão se eu amo a vida ou amo a morte. É uma questão de saber qual é o papel de um presidente da república no cuidado do seu povo. Porque um presidente da república, ele não é eleito para falar bobagem no fake news, ele não é eleito para incentivar a compra de armas como se nós tivéssemos necessitando de armas. Quem está precisando de arma são as nossas forças armadas, quem está precisando de arma é a nossa polícia que muitas vezes sai pra rua para combater a violência com um 38 velho e todo enferrujado." E afirmou que será vacinado - "Semana que vem, se Deus quiser, eu vou tomar a minha vacina. Vou tomar a minha vacina. Não me importa de que país, não me importa se é duas ou uma só, sabe? Eu vou tomar minha vacina e quero fazer propaganda pro povo brasileiro: não siga nenhuma decisão imbecil do presidente da república ou do ministro da saúde. Tome vacina. Tome vacina porque a vacina é uma das coisas que pode livrar você do Covid. Mas mesmo tomando vacina, não ache que você possa tomar a vacina e já tirar a camisa, ir pro boteco, pedir uma cerveja gelada e ficar conversando, não! Você precisa continuar fazendo o isolamento, e você precisa continuar usando máscara e utilizando álcool em gel. Pelo amor de Deus, esse vírus, essa noite, matou quase 2 mil pessoas." Ao falar sobre a decisão de Fachin, o ex- presidente declarou sua gratidão ao ministro. "Anteontem foi um dia gratificante. Eu sou agradecido ao ministro, sabe, Fachin. Porque ele cumpriu uma coisa que a gente reivindicava desde 2016. A decisão que ele tomou, tardiamente, cinco anos depois, ela foi colocada por nós desde 2016. A gente cansou de dizer, a inclusão do Lula e a inclusão da Petrobras na vida do Lula como criminoso era a razão pela qual a quadrilha de procuradores da Lava Jato, não o Ministério Público, a quadrilha de procuradores da força-tarefa e o Moro entendiam que a única forma de me pegar era me levar para a Lava Jato. Porque eu já tinha sido liberado em vários outros processos fora da Lava Jato, mas eles tinham como obsessão porque eles queriam criar um partido político para tentar me criminalizar." “Hoje, eu tenho certeza que ele [Moro] deve estar sofrendo muito mais do que eu sofri. Eu tenho certeza que o Dallagnol deve estar sofrendo muito mais do que eu sofri, porque eles sabem que eles [Moro e Dallagnol] cometeram um erro e eu sabia que eu não tinha cometido um erro.” Afirmou, Lula e acrescentou “Por conta da operação Lava Jato, o Brasil deixou de ter de investimento R$ 172 bilhões. Só por conta da Lava Jato, segundo estudo do Dieese, o país perdeu 4,4 milhões de empregos” Lula ainda aproveitou o momento para criticar o atual Governo. “Esse país está totalmente desordenado e desagregado porque não tem governo. Vou repetir: esse país não tem governo, esse país não cuida da economia, esse país não cuida do emprego, do salário, da saúde, do meio ambiente, da educação, do jovem, da meninada da periferia. Ou seja, do que eles cuidam?” “Esse país não tem governo, esse país não tem ministro da saúde, esse país não tem ministro da economia, esse país tem um fanfarrão, um fanfarrão, um presidente que por não saber de nada diz ‘é tudo por conta do Guedes’. Enquanto isso, o país está empobrecido, o PIB caiu, a massa salarial caiu, o comércio está enfraquecido, o comércio varejista caiu, a produção de comida das pessoas está ficando insustentável. E o presidente não se preocupa com isso.” Lula declarou também que o salário emergencial é importante para que as pessoas não morram de fome. "Não há possibilidade de investimento se não houver demanda. Para ter demanda tem que ter emprego. Porque vocês acham que o PT está brigando por um salário emergencial de R$ 600? Não é porque a gente acha que o Estado tem que pagar R$ 600 a vida inteira. É porque o Estado só pode deixar de pagar quando o Estado estiver gerando emprego e as pessoas estiverem gerando renda às custas de seu trabalho, aí não precisa de salário emergencial. Mas enquanto o governo não cuida de emprego, não cuida de salário, não cuida de renda, você tem que ter o salário emergencial para que as pessoas não morram de fome." Sobre a imprensa, Lula disse "Eu continuo dizendo que a liberdade de imprensa é uma das razões maiores pela manutenção da democracia em qualquer país do mundo." "Eu fiquei muito feliz porque depois da divulgação de tanta mentira contra mim, ontem eu acho que nós tivemos um Jornal Nacional épico. Eu acho que quem assistiu televisão não estava acreditando no que estava vendo. Pela primeira vez, a verdade prevaleceu". Com entradas G1

Da Redação