Credítos: Denis Balibouse/Reuters
Cargill inicia programa de carbono que pagará agricultor por práticas sustentáveis.
A comerciante global de commodities Cargill informou hoje (16) que está lançando um programa de redução de carbono para a temporada de 2022 que vai pagar aos produtores por práticas agrícolas que reduzem as emissões e que capturam mais CO2 no solo. O programa RegenConnect da Cargill usará amostragem de solo, dados agrícolas e sensoriamento remoto para estimar o benefício ambiental de práticas como o plantio de safras de cobertura ou o plantio direto, pagando aos produtores R$ 20 por cada tonelada de carbono sequestrado. O projeto está entre um número crescente de programas focados no clima lançados por empresas agrícolas que buscam reduzir suas pegadas de carbono ou lucrar com o comércio de carbono. Os críticos têm denunciado alguns esquemas como uma “lavagem verde” por corporações poluidoras e questionaram a permanência do carbono capturado pela agricultura intensiva. A Cargill tem inscrito agricultores no programa RegenConnect há vários meses e espera pagar aos participantes 50% de seus dividendos anuais projetados em dezembro, disse Ben Fargher, vice-presidente de sustentabilidade da cadeia de abastecimento agrícola da Cargill na América do Norte. O restante será pago no final da safra de 2022. Os dados da fazenda serão coletados e verificados pela empresa de medição de carbono Regrow. A Cargill já tem outros programas ambientais em andamento, principalmente regionais, mas considera o RegenConnect um “programa principal” que espera ampliar nas próximas temporadas, disse Fargher. A empresa pretende ter 10 milhões de acres (4 milhões de hectares) inscritos em programas de agricultura sustentável e regenerativa até 2030, pois seus clientes, desde importadores de commodities e produtores de gado a empresas de alimentos e bens de consumo, também estão procurando reduzir suas pegadas de carbono.
Fonte: Por Forbes