HOME

NOTÍCIAS

China tomará medidas sobre fechamento de empresas pela Bolsa de Valores de NY

China tomará medidas sobre fechamento de empresas pela Bolsa de Valores de NY

Reprodução internet

A China prometeu responder à retirada da lista de três gigantes das telecomunicações pela Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) sob uma ordem executiva assinada pelo presidente Donald Trump em novembro. O Ministério do Comércio disse em um comunicado que a China “tomará as medidas necessárias para salvaguardar resolutamente os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas”, de acordo com o Global Times, estatal. A NYSE disse que irá retirar da lista a China Telecom Corp. Limited, a China Mobile Limited e a China Unicom Hong Kong Limited. Trump assinou uma ordem em novembro que proibia os americanos de investirem em empresas que supostamente estavam ligadas aos militares chineses . A proibição de investimentos entrará em vigor em 11 de janeiro, poucos dias antes da posse do presidente eleito Joe Biden . De acordo com a NYSE, as negociações das três empresas serão suspensas possivelmente em 7 de janeiro ou até 11 de janeiro. O ministério do comércio disse que os EUA estavam “abusando da segurança nacional e usando o poder do Estado para reprimir as empresas chinesas” e disse que a medida “não estava de acordo com as regras e lógica do mercado, o que prejudica não apenas os direitos legítimos das empresas chinesas, mas também os interesses de investidores em outros países, incluindo os EUA. ” Ele acrescentou: “Esperamos que os EUA e a China trabalhem juntos para criar um ambiente de negócios justo, estável e previsível para empresas e investidores, de modo a colocar as relações econômicas e comerciais bilaterais de volta nos trilhos”. Trump tem perseguido uma agenda econômica agressiva contra a China que se tornou ainda mais restritiva desde o surgimento da Covid-19, que Trump rotulou depreciativamente de “vírus da China”, em Wuhan. Biden não deve alterar drasticamente a relação EUA-China e que “responsabilizaria o governo da China por seus abusos no comércio, tecnologia, direitos humanos e outras frentes”. A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a declaração da China. A equipe de transição Biden também não respondeu a uma solicitação de comentário. Notícia publicada no site americano CNBC

Redação