HOME

NOTÍCIAS

União Europeia é criticada pela lentidão no lançamento de vacinas

União Europeia é criticada pela lentidão no lançamento de vacinas

Angelo Esslinger por Pixabay

A União Européia tem sido criticada pela velocidade de implantação das vacinas Covid, já que suas duas maiores economias estendem suas restrições ao coronavírus devido a números preocupantes de casos. Vários funcionários europeus expressaram suas preocupações sobre os planos de vacinação do bloco nos últimos dias e pediram à Comissão Europeia, o braço executivo da UE, que explicasse por que não comprou mais vacinas. De acordo com o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças, houve mais de 17 milhões de casos notificados do coronavírus na região (incluindo o Reino Unido) até o momento. “É difícil explicar que uma vacina muito boa é desenvolvida na Alemanha, mas é utilizada mais rapidamente em outros lugares”, disse Markus Söder, o líder da região alemã da Baviera, em uma entrevista. A empresa alemã BioNTech, juntamente com a Pfizer, desenvolveu uma das vacinas mais importantes da Covid. A União Européia iniciou seu programa de vacinação no final de dezembro, após a aprovação do jab da Pfizer / BioNTech. Apesar de ter sido desenvolvido na Alemanha, no entanto, o imunizante recebeu aprovação no Reino Unido e nos Estados Unidos muito antes de receber o sinal verde das autoridades europeias. Uğur Şahin, presidente-executivo da BioNTech, também disse à imprensa alemã que “o processo na Europa certamente não foi tão rápido e direto como em outros países”. Entretanto, o Reino Unido aprovou duas outras vacinas, mas a Agência Europeia de Medicamentos ainda não se pronunciou sobre as ofertas da AstraZeneca ou da Moderna. Além das preocupações com os prazos, também há dúvidas sobre se vacinas suficientes foram compradas pela UE. “A Comissão (Europeia) deve estar à altura da ocasião. Para tal, como irá a UE compensar a falta de dossiês adquiridos na União? ” Luis Garicano, um legislador europeu, escreveu em uma carta à presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, no fim de semana. A Comissão Europeia assinou seis contratos com fabricantes de vacinas em nome de países europeus. Cada país da UE receberá as vacinas ao mesmo tempo e a distribuição será per capita. Entre esses contratos, a UE concordou em comprar 200 milhões de doses da vacina Pfizer / BioNTech com opção de compra de 100 milhões de doses adicionais. A Comissão também concordou em comprar 300 milhões de doses de vacinas da AstraZeneca, com a opção de comprar mais 100 milhões. Seu contrato com a Moderna prevê a compra de 80 milhões de doses, além da opção de compra de até 80 milhões a mais. Existem mais de 447 milhões de cidadãos que vivem nos 27 países da UE, de acordo com o serviço de estatística da região. “Israel, uma nação com apenas um quinto da população da UE, vacinou mais cidadãos do que todos os estados membros da UE juntos. Senhora Presidente, como isso é possível? ” Garicano perguntou em sua carta a von der Leyen. Um porta-voz da Comissão Europeia disse que a instituição estava “muito focada em garantir que a implementação da nossa estratégia seja nem feita”. “A comissão entendeu muito, muito cedo que tanto a aquisição de vacinas quanto o processo de vacinação seriam grandes esforços para a União Européia”, disse o porta-voz a jornalistas virtualmente. A França, um dos países mais céticos quanto à vacinação na UE, anunciou na semana passada que estava acelerando seu processo de vacinação. O país também está revisando o toque de recolher nas regiões mais afetadas em um esforço para conter a propagação do vírus. Enquanto isso, a Alemanha, onde um bloqueio nacional está em vigor desde o final de novembro, deve estender essa medida de emergência até o final do mês. Publicado pelo canal americano CNBC

Da Redação