HOME

NOTÍCIAS

Foxconn se recupera após fechar acordo com montadora elétrica chinesa

Foxconn se recupera após fechar acordo com montadora elétrica chinesa

Reprodução prnewswire

A fabricante do iPhone da Apple Foxconn assinou um acordo com a fabricante de carros elétricos chinesa Byton para ajudar a produzir seu primeiro veículo, de acordo com o canal CNBC. A mudança marca um grande impulso da Foxconn para a fabricação de automóveis, enquanto tenta diversificar seus negócios além de apenas montar produtos elétricos de consumo. A Foxconn, que negocia como Hon Hai Precision Industry Co. em Taiwan, viu suas ações saltarem mais de 4%, depois de fecharem mais de 8% no dia anterior. Byton, Foxconn e Nanjing Development Zone assinaram um acordo-quadro de cooperação estratégica para produzir conjuntamente o SUV M-Byte de Byton até o primeiro trimestre de 2022. A Foxconn fornecerá sua expertise em tecnologia de fabricação avançada, experiência em gerenciamento operacional e compartilhará recursos industriais, de acordo com um comunicado das empresas. O acordo pode fornecer uma tábua de salvação para Byton, que revelou o M-Byte pela primeira vez em 2018, mas desde então tem lutado para aumentar a produção. A empresa sediada em Nanjing, na China, teve que suspender a produção em julho e passar por uma reorganização depois que a pandemia do coronavírus prejudicou os negócios. Para a Foxconn, o negócio é uma forma de diversificar seus negócios. No ano passado, a Foxconn lançou um conjunto de ferramentas que permitiria a uma empresa projetar grandes partes de um carro elétrico que seria fabricado pela empresa taiwanesa. Essas ferramentas incluem um chassi e também um software para o veículo. A Foxconn já fornece componentes específicos a fabricantes de automóveis, incluindo a Tesla. O mercado de veículos elétricos da China continua apresentando forte crescimento. As start-ups de carros elétricos Nio , Li Auto e Xpeng anunciaram nos últimos dias que as entregas aumentaram em 2020 para fechar o ano com novos máximos mensais . Publicado pelo canal CNBC

Redação