Credítos: freepik
Vendas nas lojas online seguem em alta mesmo com a retomada do comércio físico
A fashiontech houpa! , que permite às lojas de moda atacadista exporem seus produtos de forma on-line, vem adotando estratégias que estão cada vez mais dando certo, tanto que a expectativa é de fechar 2021 com um volume bruto de venda de mercadorias superior a R$ 40 milhões, mesmo diante da acentuada crise econômica atual. O faturamento do ano passado foi de R﹩ 28 milhões e de R$ 9 milhões em 2019. Um levantamento realizado entre a Ebit e Nielsen, nos 11 primeiros dias de novembro as vendas alcançaram R$ 3,4 bilhões, 31% a mais que o registrado no mesmo período do ano passado. O número dos pedidos aumentou 20% na mesma base de comparação. Segundo indicadores do mês de outubro apontados pelo Relatório Setores do E-commerce, elaborado periodicamente pela Conversion, agência de Search Engine Optimization (SEO), os principais sites brasileiros de comercialização receberam um total 1,69 bilhões de acessos, um aumento de 1,58% em relação ao mês de setembro. Os resultados desafiam a tese de que o crescimento do varejo virtual seria afetado pela retomada gradual do comércio presencial no país. Além do crescimento natural que as vendas online vinham registrando, as lojas físicas passaram a enfrentar grandes dificuldades por conta da pandemia o que, naturalmente, provocou um aumento na procura pelo e-commerce, fenômeno mundial. A fashiontech houpa!, que já atuava nesse setor, saiu na frente com vantagens principalmente para os pequenos fabricantes. De acordo com Mateo Kim, CEO do houpa!, esses fabricantes contam com total infraestrutura. "Toda marca que se cadastra recebe amparo integral do houpa!. A plataforma é um canal multimarcas que possibilita a milhares de atacadistas venderem suas peças para multimarcas varejistas de todo o Brasil, com total apoio da plataforma, seja sobre a melhor forma de expor seus produtos, uso de ferramentas de gestão, campanhas de marketing etc.", comenta. Com o houpa! uma costureira, por exemplo, que faz suas peças em casa e quer comercializar seus produtos pode vendê-los, via plataforma, para todo o Brasil. Para o CEO, a expectativa para 2022 é de números muito mais expressivos, baseado nos crescentes resultados e também nas constantes atualizações dos serviços oferecidos. "Estamos melhorando a nossa plataforma para entregar a mais simples jornada de compra e venda para esse mercado", finaliza Mateo.
Fonte: Por Assessoria de Imprensa