Credítos: Imagem divulgação
A expectativa de crescimento do setor óptico para 2022
Após quase dois anos atípicos para o comércio e economia mundial, o ano de 2022 chega com uma dose de esperança para todos os setores do mercado. Durante a pandemia de Covid-19, precisamos nos adaptar à nova realidade e nos reinventarmos no nosso segmento. Para isso acontecer, seguir tendências e pensar fora da caixa foram grandes trunfos dos grandes empresários. No mercado óptico, setor em que atuo há mais de 18 anos, não foi diferente. Os desafios encontrados serviram de alerta para a mudança, mostrou que é preciso sempre se atualizar e seguir tendências, caso contrário, ficamos para trás. A esperança de voltar à normalidade traz um cenário desafiador, onde será preciso tornar-se mais atual, inovador e relevante ao consumidor. A construção de uma experiência mais rica e o entendimento que a tecnologia deve estar sempre presente no segmento óptico são os próximos passos. Dessa forma, entendo que as empresas precisam rapidamente se digitalizar. No nosso caso, o futuro passa pelo digital. De acordo com estudos do IX.br, projeto do Comitê Gestor da Internet no Brasil, com o distanciamento social e as pessoas mais tempo em suas casas, o consumo pela internet e a busca por serviços de entrega aumentaram. Como tenho dito, nos últimos dois anos tivemos um crescimento importante no hábito de comprar pela internet. Inclusive óculos. Mesmo assim, ainda percebo que grande parte do nosso segmento não se atentou a este movimento. No caso particular da minha empresa, após a turbulência causada pela pandemia, acredito que 2022 seja o ano para a nossa consolidação, a fim de nos tornarmos uma referência ao cliente que busca cada vez mais por produtos de alta qualidade, através de marcas que também tenham valores transparentes e entendam seu papel na sociedade. O conceito ESG (Governança Ambiental, Social e Corporativa) chegou para mostrar isso. As empresas precisam saber que elas representam e influenciam os consumidores, portanto, cuidar do meio ambiente, ter responsabilidade social e adotar práticas de governanças tornam-se deveres. O fato é que foram anos difíceis para o setor óptico e certamente levou o mercado a reavaliar muitas de suas práticas. Mas eu diria que a principal delas foi entender e dar a importância devida à digitalização de marcas e lojas, que se tornou fundamental para encontrar nossos clientes que se distanciaram das ruas momentaneamente. Nessa retomada, vejo isso como um ganho definitivo. Nosso cliente já entendeu que a tecnologia está ao seu lado para melhorar sua vida. Isso o torna cada vez mais exigente, participativo e coloca uma pressão para as marcas estarem sempre em um nível alto de excelência. A dica que deixo é: abram um canal de comunicação fluente através das mídias sociais e fortaleçam o seu e-commerce. Esse é o caminho. *Ivan Cavilha é formado em Gestão de Marketing, com MBA em Administração de Negócios pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Ivan conta com mais de 18 anos de experiência no setor óptico, mais especificamente nas áreas de marketing e vendas de grandes empresas. O executivo foi responsável pelo desenvolvimento da startup Absurda e foi gestor comercial do canal óptico da Chilli Beans. Após viagens para diversos países e pesquisas para aprofundar ainda mais o seu conhecimento, Ivan uniu a experiência que conquistou ao longo de sua carreira e a vontade de empreender para liderar seu próprio negócio. Em 2018, criou a Yoface, primeira empresa a produzir óculos impressos em 3D no país, por meio de inteligência artificial e manufatura aditiva, com produtos altamente sustentáveis, peças exclusivas e customizadas.
Fonte: Ivan Cavilha, fundador e CEO da Yoface