HOME

NOTÍCIAS

Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA anuncia intenção do país em investir no Brasil

Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA anuncia intenção do país em investir no Brasil

Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert C. O'Brien em visita à Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert C. O'Brien, e uma delegação composta por embaixadores e representantes do governo americano, para discutir formas de aprofundar as relações econômicas entre os dois países. Durante a reunião com Fiesp e Amcham Brasil, na sede da Federação, a delegação norte-americana divulgou duas cartas de intenção que totalizam um investimento de US$ 559 milhões para dois projetos: investimento de US$ 259 milhões para a Smart Rio, valor que deverá ser usado para modernizar, manter e reformar todas as luminárias públicas do Rio de Janeiro, além de expandir a infraestrutura de iluminação pública atual e instalar câmeras, pontos de acesso Wifi e controladores de trânsito inteligentes no local, e empréstimo direto de US$ 300 milhões para apoiar a expansão da carteira de empréstimos para PMEs do BGT Pactual, com uma parte dos recursos do empréstimo focado em repasse para empresas elegíveis dentro da Iniciativa 2X Mulheres e PMEs localizadas em regiões economicamente desfavorecidas nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. No início deste mês, o governo americano já havia se comprometido em fazer um investimento de US$ 425 milhões em projetos no Brasil. Um deles é um empréstimo de US$ 400 milhões ao Banco Itaú para ajuda a pequenas e médias empresas afetadas pelo surto de COVID-19 e o outro, a aplicação de US$ 25 milhões em uma mina de cobalto e níquel no Piauí, que deve aumentar a capacidade de produção e gerar mais empregos para a população local. A reunião com a Fiesp e a Amcham Brasil foi seguida por uma videoconferência com mais de setenta empresas brasileiras e norte-americanas de vários segmentos econômicos. Durante o encontro, Paulo Skaf exaltou a missão como uma clara demonstração de respeito do governo norte-americano com os setores produtivos brasileiros e, em nome do setor privado nacional, colocou a Fiesp à disposição para dialogar e discutir acordos de cooperação entre Brasil e EUA. "O objetivo deste encontro é estreitar cada vez mais as relações entre os nossos países, nossa corrente de comércio, e nossos investimentos recíprocos", explicou Skaf. "Essa missão põe em prática a intenção dos presidentes Bolsonaro e Trump de materializar pontos discutidos meses atrás e sugestões feitas pela Fiesp ao governo e à câmara de Comércio Brasil-EUA." Robert C. O'Brien destacou o potencial de colaboração ilimitado entre os dois países e prometeu anunciar até o final do dia um acordo comercial robusto e moderno, capaz de abrir caminho para um acordo de livre comércio entre os dois países. "O povo americano ama o povo brasileiro e o contrário também é verdade, e acho que a relação entre o presidente Trump e o presidente Bolsonaro demonstra muito bem isso, então é um prazer estar aqui e anunciar mais coisas em breve", disse O' Brien. Também estavam presentes Kimberley Reed, presidente do Exim Bank (Banco de Importações e Exportações dos Estados Unidos), Michael Nemelka, Representante Adjunto do Escritório de Comércio dos Estados Unidos da América, e Débora Vieitas, CEO da Amcham Brasil. O' Brien ressaltou ainda a importância dos acordos estratégicos bilaterais e a relevância da participação do setor privado no aprofundamento da integração entre Brasil e EUA e na materialização de projetos voltados para a facilitação de investimentos. "A energia, a boa vontade e a disponibilidade dos setores privados em correr riscos trazem oportunidades para os dois países", disse o Conselheiro para os empresários que acompanhavam a reunião pela internet. O Conselheiro e a comitiva americana disseram que as restrições de viagem impostas pela pandemia devem ser suspensas assim que os órgãos de saúde dos dois países considerarem o cenário seguro para a realização de deslocamentos e afirmaram que o governo americano está trabalhando para pôr fim às duplas taxações às exportações brasileiras. A reforma tributária prometida pelo presidente foi elogiada pela delegação, assim como uma potencial parceria entre os dos países na área de segurança alimentar. "Alimentamos o mundo e somos complementares", disse o Conselheiro. "É extremamente importante garantir a segurança de nossos alimentos durante toda a cadeia de produção, e podemos, enquanto dois dos maiores produtores de alimentos do mundo, nos beneficiar com um acordo de cooperação’, argumentou. O avanço da tecnologia 5G e da internet das coisas não ficou fora da discussão. O'Brien e seus embaixadores externaram preocupação com ataques cibernéticos recentes e ao crescente domínio chinês sobre essa esfera. "Estamos recomendando fortemente que nossos parceiros fechem acordos com fornecedores confiáveis", alertou O'Brien. "Temos uma longa história de cooperação com o Brasil nas áreas de segurança e defesa e podemos aperfeiçoar ainda mais essa parceria", complementou. Depois da reunião com Paulo Skaf, O' Brien e a delegação norte-americana viajaram para Brasília, onde cumprem agenda com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, e o ministro da Economia Paulo Guedes.

assessoria de imprensa Fiesp