HOME

NOTÍCIAS

Rússia afirma que vacina Sputnik V tem 92% de eficácia

Rússia afirma que vacina Sputnik V tem 92% de eficácia

fernando zhiminaicela por Pixabay

A Rússia afirma que a vacina contra o coronavírus Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, tem 92% de eficácia. O anúncio acontece após a gigante farmacêutica norte-americana Pfizer e seu parceiro alemão BioNTech afirmarem que sua vacina tem mais de 90% eficaz na fase três dos testes . Os dados da RDIF – sigla para O Fundo de Investimento Direto da Rússia, afirmam que os primeiros resultados do ensaio clínico foram divulgados com base no relatório preliminar da fase 3 do estudo. A vacina é chamada de “Sputnik v” e mostrou sua eficácia “baseada nos 20 casos confirmados de Covid-19 divididos entre indivíduos vacinados e aqueles que receberam o placebo. ” mas os resultados ainda não passaram por uma revisão de outros cientistas, o que é necessário para a divulgação em uma revista científica. “Atualmente 40.000 voluntários estão participando de ensaios clínicos de Fase III do Sputnik V duplo-cegos, randomizados e controlados por placebo, dos quais mais de 20.000 foram vacinados com a primeira dose da vacina e mais de 16.000 com a primeira e a segunda doses da vacina ”, disse um comunicado publicado no site dedicado à Sputnik V. Em agosto, a Rússia se tornou o primeiro país a registrar e aprovar uma vacina contra o coronavírus. O anúncio gerou preocupações de alguns membros da comunidade científica internacional sobre a velocidade da aprovação - a vacina ainda não havia iniciado os testes de fase três naquele ponto - e a falta de dados disponíveis que sustentem as alegações russas sobre a eficácia e segurança da vacina. A Rússia publicou alguns dados de testes clínicos em estágio inicial em setembro e insistiu repetidamente que sua vacina é segura e eficaz. A RDIF disse que “não houve eventos adversos inesperados durante os testes. O monitoramento dos participantes está em andamento. ” A observação dos participantes do estudo continuará por seis meses antes que um relatório completo da fase três dos ensaios clínicos seja apresentado, disse o RDIF, mas observou que os dados provisórios da pesquisa serão publicados pela equipe do Centro Gamaleya, que desenvolveu a vacina, “em um das principais revistas médicas internacionais revisadas por pares ”, sem indicar quando isso poderá acontecer

Da Redação