HOME

NOTÍCIAS

Boeing 737 Max recebe autorização para voar novamente após 20 meses parado, por conta de acidentes

Boeing 737 Max recebe autorização para voar novamente após 20 meses parado, por conta de acidentes

Tommy Olsson por Pixabay

A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) aprovou a retomada de voos do modelo 737 MAX da Boeing após uma proibição de voos por quase dois anos. Um ponto importante diante de uma crise prolongada para a empresa decorrente de dois acidentes com seu avião mais vendido. A American deve ser a primeira companhia aérea dos EUA a retornar a aeronave ao serviço comercial no final de dezembro. A operadora na quarta-feira disse que planeja expandir os voos da Max ao longo de janeiro de seu hub de Miami. A United Airlines disse que planeja relançar voos no primeiro trimestre de 2021, enquanto o CEO da Southwest Airlines disse na quarta-feira que retornaria os aviões no mínimo em abril. A American Airlines deve ser a primeira companhia aérea dos Estados Unidos a readmitir a aeronave ao serviço comercial no final de dezembro. A empresa de aviação afirmou que os voos não comerciais serão operados no início de dezembro, enquanto os voos de passageiros serão retomados no final do ano e, informou ainda que a aeronave irá começar com uma viagem de ida e volta diária entre Nova York e Miami a partir de 29 de dezembro. A United Airlines disse que planeja relançar voos no primeiro trimestre de 2021, enquanto o CEO da Southwest Airlines disse que retornaria os aviões no mínimo em abril. Depois da suspensão da proibição de voos por 20 meses, a Boeing passou a ter a oportunidade de entregar cerca de 450 aeronaves 737 Max, que não foram entregues aos clientes devido à proibição de 2019. Além disso, a empresa ainda tem uma carteira de pedidos de mais de 3.000 aeronaves 737 Max, que caiu devido ao cancelamento de centenas de pedidos de aeronaves e ao impacto da pandemia de Covid-19. Segundo o divulgado, antes disso, dois aviões 737 Max quase novos caíram um após outro em cinco meses, matando 346 pessoas. Esses dois acidentes levaram a Boeing a realizar extensas inspeções de segurança.

Da Redação