HOME

NOTÍCIAS

AstraZeneca admite erro e cria dúvidas sobre eficácia de vacina e entra na mira dos cientistas

AstraZeneca admite erro e cria dúvidas sobre eficácia de vacina e entra na mira dos cientistas

Dimitri Houtteman por Pixabay

A farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford admitiram que um erro crucial foi cometido na dose de vacina recebida por alguns participantes em seus estudos, segundo reportagem do The York Times. No último anúncio feito, as parceiras afirmaram que a sua vacina alcançava uma eficácia de até 90% quando ministrada em duas aplicações, com intervalo de pelo menos um mês entre ambas, sendo meia dose na primeira aplicação e uma dose completa na segunda. Quando ministrada em duas doses completas, com intervalo de pelo menos um mês, a eficácia foi menor, de 62%. A análise combinada dos dois métodos de dosagem indica uma eficácia média de 70%, anunciaram. Desde então, especialistas apontaram uma série de irregularidades nos resultados apresentados e viram omissão de informações na maneira como a AstraZeneca os apresentou. Com isso, aumentam as dúvidas sobre se a eficácia, aparentemente surpreendente da vacina vai se confirmar após testes adicionais. Cientistas e especialistas do setor disseram que isso irá enfraquecer a confiança na confiabilidade dos resultados da farmacêutica. O problema maior é que, inicialmente, a ideia não era aplicar uma meia dose da vacina – técnica que se mostrou mais eficaz. Essas críticas ganharam força após o executivo responsável pela área de pesquisa e desenvolvimento da AstraZeneca, Menelas Pangalos, revelar à agência de notícias Reuters que a empresa não tinha a intenção de aplicar metade da dose nos voluntários. Ou seja, segundo ele, a eficácia de 90% teria sido um acaso, após um erro de controle de aplicação das doses. A intenção era aplicar duas doses completas, e não meia dose, como reconheceu o chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da AstraZeneca, Mene Pangalos. Pangalos disse que a aplicação de uma meia dose foi mero acaso. "Sim, foi um erro", reconheceu, mas qualificou o ocorrido de serendipity, ou um acaso feliz, por a eficácia nesse grupo ter sido maior. Mesmo após identificar o erro ocorrido na primeira aplicação, o que aconteceu depois de os pesquisadores terem ficado "perplexos" com os efeitos colaterais mais leves do que o esperado, a equipe resolveu aplicar a segunda dosagem, agora completa. "A verdade é que pode acabar sendo um erro bastante útil", disse Pangalos em entrevista ao jornal The New York Times. "(O erro) não colocou ninguém em perigo. Foi um erro de dosagem. Corrigimos o engano e continuamos com o estudo, sem mudanças nas pesquisas, e concordamos com o órgão regulador para incluir esses pacientes na análise também". A AstraZeneca foi a terceira empresa a anunciar bons resultados iniciais sobre a vacina contra o coronavírus. Com entradas e informações de agências e jornais.

Redação