HOME

NOTÍCIAS

Siemens Gamesa potencializa futuro livre de carbono com hidrogênio verde, essencial para a descarbonizar indústrias poluentes

Siemens Gamesa potencializa futuro livre de carbono com hidrogênio verde, essencial para a descarbonizar indústrias poluentes

Divulgação

Descarbonizar a economia para combater as mudanças climáticas é uma das mais urgentes metas que países e companhias estabeleceram para as próximas décadas. A energia eólica está impactando significativamente na redução da dependência do mundo em combustíveis fósseis para a geração de eletricidade, mas o desafio de descarbonizar a economia requer a implantação massiva de combustíveis neutros em carbono em outros setores poluentes, como os de transporte e indústria pesada. A Siemens Gamesa anuncia que está embarcando na jornada para descarbonizar essas indústrias por meio da instalação do primeiro sistema no mundo capaz de produzir hidrogênio verde com uma turbina eólica, sem conexão com a rede, em "modo ilha". Esse é um passo estratégico para começar a entregar hidrogênio verde em larga escala a partir da metade da década de 2020. "O hidrogênio verde tem potencial para mudar o jogo na busca por descarbonizar a cadeia de fornecimento de energia e solucionar a crise climática. Nossas turbinas eólicas já estão realizando uma contribuição enorme neste esforço ao fornecer energia limpa à rede, mas, com o potencial de armazenamento de hidrogênio, nós podemos começar a lidar com outras importantes indústrias. Este é um projeto estimulante e estou orgulhoso de que a engenhosidade e o comprometimento de nosso time estão permitindo que a Siemens Gamesa assuma a liderança. Este é o futuro", afirma Andreas Nauen, CEO da companhia. O hidrogênio verde de fontes renováveis é um combustível 100% sustentável, armazenável, transportável e versátil. Representa uma grande oportunidade para a transição verde ao impulsionar a transformação do sistema de energia: pode ser produzido em qualquer lugar e usado em setores muito difíceis de descarbonizar, como aviação e navegação, assim como na indústria pesada, como o ferro e aço, produtos químicos e vidro. O hidrogênio pode contribuir significativamente na redução de emissões em nível nacional e empresarial. O hidrogênio já é utilizado na indústria de energia atualmente, e representa 1,7% do consumo global de energia por ano. No entanto, apenas 1% deste hidrogênio é gerado por fontes de energia sustentáveis. A maior parte é obtida do gás natural e do carvão, emitindo 830 milhões de toneladas de CO2 por ano - mais do que toda a Alemanha ou a indústria naval global. A substituição desse consumo poluente exigiria 820 GW de capacidade de geração eólica, 26% a mais do que a atual capacidade eólica global instalada. As previsões de longo prazo de várias fontes da indústria apontam para um crescimento exponencial do hidrogênio nas próximas décadas, à medida que o transporte e a indústria pesada se descarbonizam, exigindo entre 1.000 GW e 4.000 GW de capacidade renovável até 2050 para atender essa demanda, o que destaca o vasto potencial de crescimento da energia eólica. O projeto piloto Brande Hydrogen A Siemens Gamesa está na linha de frente quando o assunto é resolução de desafios tecnológicos e entrega de soluções que permitirão a implantação de combustíveis neutros em carbono movidos a energias renováveis, comprovando a viabilidade de implantação confiável e efetiva de turbinas eólicas em sistemas de produção de hidrogênio. A companhia está desenvolvendo o primeiro projeto piloto no mundo para conectar uma turbina eólica a um eletrolisador capaz de operar em "modo ilha", conduzindo uma plataforma de eletrólise sem ligação a uma rede elétrica. Com o projeto Brande Hydrogen, a Siemens Gamesa é pioneira em uma importante aplicação futura em potencial para energia eólica Onshore e Offshore. O piloto está em desenvolvimento próximo à sede da Siemens Gamesa na Dinamarca, em Brande, região oeste do país. Ele inclui uma turbina eólica Siemens Gamesa de 3 MW - propriedade da empresa parceira local, Uhre Windpower -, que produzirá eletricidade limpa para alimentar um eletrolisador de 400 kW. Essa máquina divide a água em oxigênio e hidrogênio, para que o hidrogênio seja armazenado e posteriormente entregue aos clientes do setor de mobilidade. O projeto está próximo da obtenção das licenças finais. Os primeiros testes estão planejados para dezembro de 2020 e a produção de hidrogênio deve começar em janeiro de 2021. A Siemens Gamesa assinou recentemente um acordo com a empresa dinamarquesa Everfuel, que distribuirá o hidrogênio 100% verde produzido pela instalação para postos de abastecimento em toda a Dinamarca, por exemplo em Copenhague, onde será usado para abastecer táxis. Quando estiver totalmente operacional, a única turbina do projeto produzirá hidrogênio suficiente para abastecer cerca de 50-70 táxis por dia. O hidrogênio livre de carbono, derivado de energia eólica competitiva e de baixo custo, pode ser armazenado e transportado para uso sob demanda. Esta instalação fornecerá percepções que serão cruciais para expandir a tecnologia para turbinas e parques eólicos muito maiores, tanto em terra quanto no mar.

assessoria de imprensa Siemens Gamesa