HOME

NOTÍCIAS

Marco Legal das Startups é aprovado na Câmara dos Deputados

Marco Legal das Startups é aprovado na Câmara dos Deputados

StartupStockPhotos por Pixabay

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei Complementar nº 146/2019, que estabelece o “Marco Legal das Startups”. Após a aprovação nas duas casas legislativas, que deverá ser realizada com observância a um quórum diferenciado de, no mínimo, a maioria absoluta dos votos favoráveis, o projeto seguirá para sanção do presidente da República, que terá 15 dias úteis para proceder com sua sanção ou veto. Eduardo Matias, especialista brasileiro escolhido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações do Brasil e pela União Europeia para conduzir estudo sobre marco legal das startups, elencou alguns destaques sobre o assunto: Enquadramento como startup: só será considerada startup a empresa registrada no CNPJ há menos de 10 anos (antes eram 6 anos). Proteção aos investidores: investidores não serão atingidos por eventual desconsideração da personalidade jurídica das startups investidas, sendo excluída sua responsabilidade em arcar com as dívidas daquelas. Simplificação nas S.A.: sociedades anônimas que faturem até determinados limites poderão ter apenas um diretor, realizar suas publicações legais pela internet e substituir seus livros tradicionais por registros eletrônicos. Stock options: substitutivo aperfeiçoa as disposições dos PLPs anteriores, apresentando um capítulo detalhado sobre planos de opção de compra de ações. Ganho de capital: ganhos de capital auferidos por um investidor pessoa física em startups levarão em conta as perdas incorridas em investimentos em outras startups, reduzindo o imposto a ser pago. “Sandbox regulatório”: permitida a criação de ambiente regulatório experimental com condições especiais para desenvolver modelos de negócios inovadores e testar tecnologias experimentais. Compras governamentais: cria-se um regime especial de teste de soluções inovadoras para contratação pela administração pública. O que ficou de fora? Aspectos tributários: a possibilidade de que startups optem pelo regime do Simples Nacional não está prevista, assim como alguns incentivos fiscais que constavam do projeto de lei original. * Eduardo Felipe Matias é coautor do estudo Sharing Good Practices on Innovation, Doutor em Direito Internacional pela USP e sócio da área empresarial do NELM Advogados, que abrange a área de Inovação e Startups.

assessoria de imprensa Tamer Comunicação